Quer
Vender?Simule
Aqui

Cotação actualizada ao minuto

(14-07-2024 às 21:06:33)

Valores de Referência em Bolsa

VALOR DE COMERCIANTE

OS GATILHOS PARA O OURO ULTRAPASSAR US$ 3.000, SEGUNDO A SCHRODERS

28/06/2024

O preço do ouro teve um comportamento notável até agora neste ano. Até o momento, o valor do precioso metal aumentou 12,58%, passando de 1.970 dólares no início do ano para 2.219 dólares esta semana. Segundo estimativa do Bank of America em seu último relatório, o ouro poderia atingir 3.000 dólares nos próximos 12-18 meses. As expectativas de mudanças nas políticas monetárias dos principais bancos centrais, a lenta descida e controle da inflação e a contínua demanda como ativo refúgio, diante da atual incerteza geopolítica, seriam algumas das causas.

“Acreditamos que o ouro pode alcançar os 3.000 dólares por onça nos próximos 12-18 meses, embora os fluxos atuais não justifiquem esse nível de preço por enquanto. Para alcançar isso, seria necessário que a demanda não comercial aumente a partir dos níveis atuais, o que, por sua vez, requer uma redução nos juros pelo Federal Reserve. Um fluxo para os ETFs respaldados fisicamente e um aumento nos volumes de compensação da LBMA são um primeiro impulsionador dessa redução. A proporção de dólares nos portfólios de moedas provavelmente provocará mais compras de ouro por parte dos bancos centrais.”

Segundo a opinião de James Luke, gestor de fundos especializados em materiais primários da Schroders, o ouro está superando os máximos históricos anteriores e atualmente é cotado acima dos 2.300 dólares por onça, apesar das vendas quase ininterruptas dos investidores ocidentais durante 2023 e 2024. “As liquidações ocidentais foram compensadas pelas compras dos bancos centrais, investidores e famílias no Oriente. Essa dinâmica cambiante foi liderada pela China, mas não se limitou a este país, também ocorrendo na demanda em outras partes do Oriente e em outros lugares”, diz ele.

Renda variável de ouro

De acordo com sua visão, a fragilidade geopolítica e fiscal se combinam hoje para forjar um caminho rumo a um impulso global sustentado e múltiplo nos suprimentos de ouro. “Em nossa opinião, isso poderia desencadear um dos mercados altistas mais fortes desde que o presidente Nixon fechou a porta para o ouro em novembro de 1971, encerrando a conversibilidade do dólar americano em ouro”, acrescenta Luke.

Uma nuance que o gestor da Schroders acrescenta é que, embora os preços do ouro tenham subido, a renda variável do ouro ficou para trás em relação ao preço dos lingotes. Luke explica que, apesar dos sólidos fundamentos financeiros impulsionados por este mercado altista do ouro liderado pelo Oriente, as avaliações estão próximas dos mínimos de 40 anos devido à péssima opinião do Ocidente sobre o ouro e aos pobres resultados operacionais de alguns “líderes” do setor. O que poderia mudar essa situação?

“Não é exagero dizer que o setor de mineração de ouro poderia subir 50% e ainda parecer barato. Com uma capitalização de mercado total de 300 bilhões de dólares americanos, o setor de renda variável aurífera tem sido basicamente ignorado, mas acreditamos que isso vai mudar. Se algum dia chegou o momento de incluir a renda variável de ouro em uma alocação plurianual de metais preciosos, acreditamos que é agora”, explica.

Bancos centrais, demanda e ouro

Um fator relevante na evolução do preço do ouro é a demanda dos bancos centrais. Segundo destaca o BofA em seu relatório, “de maneira encorajadora”, a última pesquisa do Banco Central do Conselho Mundial do Ouro confirmou que as autoridades monetárias buscam aumentar suas compras de ouro. “A reserva de valor a longo prazo / proteção contra a inflação, o desempenho durante tempos de crise, o diversificador de portfólio eficaz e a ausência de risco de inadimplência tornam o ouro atraente. Embora as motivações dos bancos centrais para possuir ouro possam variar, tendem a ter algo em comum: a proporção de dólares nas carteiras tem diminuído”, assinala a entidade.

Nesse sentido, acrescenta que os bancos centrais têm tido uma variedade de motivos para reduzir sua proporção de dólares, “incluindo o realinhamento das denominações de moeda em reservas com as moedas com as quais os países realmente negociam e movendo-se em direção a um mundo multipolar”.

Especificamente, os bancos centrais – China, Cingapura e Polônia, os maiores em 2023 – têm estado atentos, embora as compras recordes só tenham feito com que as reservas de ouro passassem de representar 12,9% do total de reservas no final de 2021 para 15,3% no final de 2023.

Ao falar sobre a demanda por ouro, Luke destaca como tendência que esta está aumentando por parte dos investidores chineses, diante do desvanecimento do brilho do setor imobiliário. “Os lares chineses, que adicionaram trilhões (em dólares americanos) a uma poupança excedente já recorde em 2022 e 2023, são um desses atores. O fim do mercado altista imobiliário de trinta anos foi crucial para desencadear uma enorme mudança de atitude em relação ao ouro. O aumento da preferência dos investidores pelo ouro refletiu o declínio do setor imobiliário. Duvidamos que a maior demanda por ouro por parte dos lares seja um fenômeno temporário”, argumenta.

Polarização e ouro

Por fim, o gestor da Schroders destaca que a força do ouro reflete a mudança para um mundo mais polarizado, o que o torna mais forte como ativo de refúgio. Sem dúvida, o aumento da tensão entre Estados Unidos e China, e as sanções impostas à Rússia após a invasão da Ucrânia em 2022, impulsionaram as compras recordes de ouro por parte dos bancos centrais como ativo monetário de reserva.

“De uma perspectiva de longo prazo, as compras dos bancos centrais refletem bem a evolução da dinâmica geopolítica e monetária/fiscal mundial. Entre 1989 e 2007, os bancos centrais ocidentais venderam todo o ouro que lhes foi possível na prática, já que após 1999 foram limitados pelos acordos sobre o ouro que os bancos centrais alcançaram para manter a ordem nas vendas. Naquele mundo pós-Muro de Berlim e União Soviética, em que a democracia liberal liderada pelos EUA estava em ascensão, a globalização acelerava e os indicadores de dívida dos EUA eram francamente pintorescos em comparação com os atuais, a desmonetização do ouro como ativo de reserva parecia totalmente lógica”, argumenta Luke.

Em sua opinião, as mais de 1.000 toneladas de ouro (20% da demanda mundial) compradas pelos bancos centrais em 2022 e 2023, um ritmo que continuou no primeiro trimestre de 2024, é potencialmente sísmico. Parece totalmente plausível que a tensa dinâmica atual de poder estabelecido/poder emergente, combinada com a fragilidade fiscal que paira não só sobre a moeda de reserva emitida pelos EUA, mas sobre todo o bloco econômico desenvolvido, possa desencadear um movimento sustentado em direção ao ouro. “Dito sem rodeios, o mercado do ouro não é grande o suficiente para absorver um movimento tão sustentado sem que os preços subam muito, especialmente se outros atores globais também tentarem entrar mais ou menos ao mesmo tempo”, conclui o gestor da Schroders.

< VOLTAR

Inserir comentário

Todos os campos são de preenchimento obrigatório. Contudo e, porque privilegiamos a confidencialidade da informação que nos envia, o seu email nunca será apresentado.

  • Cotações do Ouro - www.kitco.com
  • Cotações da Prata - www.kitco.com
  • Cotações do Ouro - www.kitco.com
  • Cotações da Prata - www.kitco.com
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização.