Cotação actualizada ao minuto

(21-05-2019 às 04:23:42)

VALOR DE COMERCIANTE

O Rubi e a Safira no relógio

 

Para que serve?

Na relojoaria encontramos materiais de construção que frequentemente se encontram associados a este ramo, nomeadamente, o rubi e a safira que, pelas suas propriedades possibilitam maior durabilidade dos relógios.

Rubi e Safira

Pedras Naturais

Gira em torno destas duas variedades gemológicas de corindo, o rubi e a safira, vários mitos em relojoaria.

Estas gemas podem ser usadas nos relógios com funções bem diferentes e que se prendem com a funcionalidade e durabilidade dos mesmos. 

Compramos ouro ao melhor preço!

Simulador Ouro, Prata, Paládio e Platina

Visite também, peças com mais valorAvaliador Oficial e critérios de avaliaçãoContacte-nos!

RubiNo entanto, há que salientar a verdadeira natureza destes materiais gemológicos, citando que se tratam não de materiais naturais, mas sim de gemas sintéticas.

Estas pedras sintéticas são materiais artificiais que têm a mesma composição e estrutura do que as gemas naturais, evidenciando propriedades físicas similares, como a sua elevada dureza (9 na escala de Mohs).

Safira

Deste modo, o surgimento dos corindos sintéticos acima mencionados, tornaram-se acessíveis ao mercado logo nos primeiros anos do século XX.

Rubi

Por volta do século XVII, foram lançados vários estímulos para o desenvolvimento dos relógios pois, apenas possuíam ponteiro de horas e provocavam uma imprecisão de leitura diária na ordem de 10 minutos.

Relógio com Rubis

Após identificado do problema principal, o atrito próprio dos movimentos mecânicos, era necessário minimizá-lo, pela necessidade de precisão que a navegação marítima exigia nos instrumentos de medição de tempo para a eficaz localização das naves em alto mar, em particular para a determinação das latitudes.

A utilização do rubi no relógio bem como outros tantos desenvolvimentos tecnológicos na relojoaria surgem pela necessidade desta precisão.

Relógio com Rubis

A utilização de lubrificantes permitiu a evolução nesse sentido no início do século XVIII.

Pela mesma época, em 1704, Nicolas Fatio, grande matemático suíço propôs a utilização do rubi como chamuceira e substituto dos pivots das peças mais sensíveis do relógio, tirando partido da elevada dureza e resistência do material gemológico.

Relógio com Rubis

Nos tempos seguintes, a utilização do rubi foi alargada a outras posições vitais do relógio sempre que houvesse necessidade de emprego de material de alta resistência ao desgaste.

Até à comercialização dos rubis sintéticos, data do início do século XX, eram utilizados os rubis naturais, de elevados preços não só pelo material em si mas também pelo tempo gasto e perdas naturais derivadas da sua perfuração e processamento.

Este material nobre apenas estava acessível às casas de alta relojoaria.

Relógio com Rubis

A comercialização em larga escala de rubis sintéticos desenvolvidos através do engenhoso processo desenvolvido por Auguste Verneuil (método de fusão) permitiu a toda a actividade de relojoaria a possibilidade de resolver os seus problemas de precisão.

Uma vez que é sintético e perfurado à máquina, não valorizam ainda mais a peça, apenas garantem o seu bom e duradouro funcionamento.

Relógio com Rubis

Safira

A utilização de safira sintética incolor nos vidros dos relógios que normalmente vêm descritos como "vidros de safira", permitiu a produção em larga escala de "rodelas de safira incolor" através do mesmo método de fusão de Verneuil, sem inclusões susceptíveis de utilização para este fim.

Relógio com Safiras

O objectivo da sua utilização é semelhante à do rubi, tirando partido da elevada dureza do material que mineralmente é o mesmo (corindo) para manter o mais possível o polimento necessário ao vidro do relógio, garantindo assim uma boa leitura do mostrador.

Relógio com SafirasEste material apenas sofre riscos se for riscado por materiais com dureza comparável ou superior, como por exemplo com o próprio corindo, o carborundo e o diamante.

Relógio com Safiras

Os rubis no contexto do movimento do relógio 

Os rubis ou safiras acima referidos são perfurados, chanfrados e polidos para servirem como rolamentos para s engrenagens dos relógios, reduzindo a fricção das peças mecânicas a um mínimo possível.

Um relógio simples, geralmente, com ponteiros de horas, minutos e segundos deve incluir ao menos quinze rubis, situados nos lugares mais sujeitos ao desgaste devido à fricção bem como conter um sistema de absorção de choques no balanço, uma mola de balanço de boa qualidade e uma mola inquebrável.

Relógio com Rubis

Estes materiais sintéticos são fabricados a partir de uma mistura de óxido de alumínio e óxido de cromo, submetidos a uma temperatura de 2.000 graus centígrados.

As pedras resultantes desta operação são polidas posteriormente com formas desejadas.

Relógio com Rubis

Normalmente, os relógios com mecanismos mais complexos costumam utilizar maior quantidade de rubis.

A platina e até mesmas as pontes recebem rubis com o objectivo de permitir funcionarem como mancais para os eixos das engrenagens, reduzindo o seu atrito e desgaste.

Relógio com Rubis

A superfície lisa dos rubis reduz bastante o atrito nos pivôs (as pontas) dos eixos das engrenagens bem como o desgaste nesses mancais, uma vez que são pedras extremamente duras.

Embora incomum, usa-se também safira em vez de rubis nos relógios.

Relógio com pedras preciosas

Tem jóias antigas? Pretende avaliá-las? Contacte-nos!

Uma jóia antiga pode ter mais valor, nós compramos as jóias que já nao usa.

Não compramos só o peso! Conheça todos os nossos critérios de avaliação.

Conheça a opinião dos nossos Clientes!

Conheça como se compra e transmite Cautelas de Penhor.

Saiba também quais são os nossos critérios de avaliação!

Conheça as peças com mais valor!

New Greenfil Lda, faça parte de uma história de sucesso!

Newsletter

Fique a par das nossas novidades!

  • Cotações do Ouro - www.kitco.com
  • Cotações da Prata - www.kitco.com
  • Cotações do Ouro - www.kitco.com
  • Cotações da Prata - www.kitco.com