Cotação actualizada ao minuto

(24-03-2019 às 21:53:18)

VALOR DE COMERCIANTE

Joalharia Portuguesa no Século XVIII

 

O século XVIII foi uma época gloriosa para a Joalharia Portuguesa devido à descoberta de ouro e posteriormente, de diamantes no Brasil que veio marcar todas as nossas artes com relevo para a Joalharia.

Compramos ouro ao melhor preço!

Simulador Ouro, Prata, Paládio e Platina

Visite também, peças com mais valorAvaliador Oficial e critérios de avaliaçãoContacte-nos!

Avaliador Oficial

Joalharia Portuguesa

As tendências dominantes dos séculos anteriores traduziam-se no sentimento religioso, na utilização de esmaltes e gemas coloridas enquanto, que este novo período, deu lugar a jóias mais uniformes na sua decoração e design, realçando o brilho e a cor de uma única gema.

Joalharia Portuguesa

Nesta época gloriosa, emergiu a chamada "jóia-espectáculo", que fazia transparecer publicamente a posse de riqueza e de poder ou crença religiosa.

Joalharia Portuguesa

Em Portugal, pode-se comprovar tal facto pela profusa exibição de Insígnias das Ordens Militares pelos seus membros.

Joalharia Portuguesa

Alguns grandes senhores possuíam riquíssimas obras de joalharia em diamantes e rubis (Insígnias das ordens de Cristo ou de Santiago) e esmeraldas (Insígnias da ordem de Avis).

Joalharia Portuguesa

Até à data, a lapidação mais apreciada era em "rosa" que constava de várias facetas na superfície visível superior da gema.

Joalharia Portuguesa

Na lapidação em "brilhante" desenvolvida e aperfeiçoada em Veneza,no ínicio do século XVIII, as facetas são dispostas de modo geométrico, de maneira a que a luz aumente o brilho, a cor e o fogo do diamante.

Nesta época, a grande tendência barroca motivou o desenvolvimento da nova lapidação e era considerado mais hábil o ourives que tivesse a capacidade de tornar os suportes para as gemas.

Joalharia Portuguesa

Técnica facilitada com o aparecimento dos diamantes do Brasil, mais fundos que os provenientes da Índia, logo mais adaptáveis às exigências do novo talhe.

Joalharia Portuguesa

A prata era o metal de eleição para estas montagens, já que quando bem polida confundia-se com o brilho dos diamantes.

Joalharia Portuguesa

Foi apartir da segunda metade do século XVIII, que os diamantes brilhantes começaram a ser apreciados, simultaneamente, com o auge das encomendas aos joalheiros e ourives de Paris pela Casa Real Portuguesa.

Joalharia Portuguesa

Na grandiosa "Custódia de Ouro do Cabido da Sé de Lisboa" realizada entre 1755 e 1760, encontramos, entre outras gemas, grandes diamantes lapidados em rosa, facto que permite duvidar de uma utilização significativa, na joalharia nacional, de diamantes lapidados em brilhante anteriores a esta década.

Joalharia Portuguesa

Não são apenas os diamantes  e as gemas "tradicionais" como as esmeraldas, rubis, pérolas e as safiras, as pedras utilizadas na Joalharia Portuguesa setecentista.

Joalharia Portuguesa

As gemas de baixo valor aquisitivo também foram utilizadas em grande quantidade de jóias de modo a ilustrar e preenchê-las de valor decorativo.

Joalharia Portuguesa

Na Joalharia Portuguesa eram utilizados como substitutos de diamantes os topázios, as crisólitas, os citrinos e cristais-de-rocha lapidado em brilhante e forrado de folhas prateados que actualmente, se designa, de modo geral, como "minas-novas".

Joalharia Portuguesa

Pedrarias estas que se encontravam com facilidade no Brasil, sendo o cristal de rocha (quartzo incolor cristalizado) também comum no nosso país.

Os ourives e joalheiros do século XVIII inspiravam-se na fonte naturalista, tal acontecia tanto em Portugal como na Europa.

Joalharia Portuguesa

As jóias mais produzidas nesta época eram em forma de flores, estilizadas ou retratadas identicamente conforme os originais que reflectiam os jardins barrocos transformando as jóias em pequenos e preciosos jardins.

As populares laças em ouro não deixara de ser influenciadas por este longo naturalismo que chegou aos alvores do século XX.

Joalharia Portuguesa

Durante este período objectos como colaresbrincos, alfinetes, anéis, braceletes, vários adornos para os cabelos atingiram um elevado grau de esplendor e apenas no final do século surgiu a tiara.

Joalharia Portuguesa

O último período de esplendor da joalharia ocidental ficou denominado pela elegância das jóias dos homens, nomeadamente, alfinetes de chapéus, relógios com correntes, fivelas para mantos e sapatos, botões e insígnias.

Joalharia Portuguesa

Pode dizer-se que este foi o último período de esplendor da joalharia masculina no ocidente.

Joalharia Portuguesa

Na segunda metade do século, destacava-se o laço com pendente, em ouro ou prata encrustado com diamantes que podia ser utilizado em roupas, brincos ou pendente no centro do colar.

Joalharia Portuguesa

A ourivesaria portuguesa foi durante o período barroco até movimentos do século XIX influenciado pela produção de ouro do Brasil.

Hoje, são poucas as jóias da Família Real ou de alta aristocracia que sobreviveram a esta época, salvo as representadas em pinturas e desenhos, ou registadas em documentação. Contudo, o conjunto do Palácio da Ajuda conhecido por "Jóias da Coroa", reunido já durante o Estado Novo, possui algumas peças dos finais do século XVIII, algumas extraordinariamente importantes.

Joalharia Portuguesa

É o caso da grande laça para peitilho para esmeraldas e diamantes lapidados em brilhante, obra executada na transcrição dos reinados de D. José para D. Maria I.

Joalharia Portuguesa

Porém, novas modas e dificuldades económicas obrigaram a transformações das jóias ou à sua destruição. Em 1845 ainda se conservava na Casa da Moeda de Lisboa, proveniente da antiga Igreja Patriacal, o Ceptro em ouro de D. João I que, entre tantas outras preciosidades, acabou por ser fundido para enriquecer os cofres do Estado.

Joalharia Portuguesa

Nos cadinhos da Casa da Moeda foi igualmente destruído o valioso tesouro das jóias da imagem da Nossa Senhora do Carmo, entre as quais duas coroas em ouro e com grandes pedrarias oferecidas por D. João V.

Joalharia Portuguesa

Um dos testemunhos mais vibrantes da joalharia da Corte nos meados do século é uma obra sacra, a chamada "Custódia da Bemposta". Esta custódia, que se encontra no Museu Nacional de Arte Antiga, foi realizada na década de 60, provavelmente segundo um desenho do arquitecto/ourives de D. João I, João Frederico Ludovice.

Joalharia Portuguesa

A sua decoração, com aplicação de inúmeras pedras preciosas, baseou-se na grande joalharia da Corte. Deste modo, encontramos grinaldas em pedras de cor; laços em diamantes rubis; ou pequenas flores em pedraria recordando o trabalho de caixas de rapé em ouro, tão apreciadas na época.

Joalharia Portuguesa

No decorrer dos setecentos, evidenciou-se a oficina dos Pollet, joalheiros de origem polaca que serviram sobretudo D. Maria I. Adão Gotlieb Pollet, "cravador da Corte", desde 1779, foi o autor de algumas das magníficas obras que esta rainha possuiu.

De sua autoria apenas se conhece hoje um belíssimo alfinete com uma safira de 100 quilates, rodeada de diamantes-brilhantes, guardada no Palácio Nacional da Ajuda. O seu filho David Ambrosio Pollet conservou a régia clientela de seu pai após a sua morte. Uma das suas encomendas foi a das jóias oferecidas por ocasião do casamento dos Príncipes D. João e D. Carlota Joaquina.

Joalharia Portuguesa

No Palácio Nacional da Ajuda conservam-se algumas jóias de grande valor executadas por este ourives. Destas destacam-se a " Placa Insígnia das Três Ordens" e o grande "Tosão de Ouro", todas executadas em 1789. Este último, uma das insígnias mais grandiosas em toda a Europa, já anuncia o neoclassicismo.

Joalharia Portuguesa

É curioso salientar que foram as jóias de carácter mais popular que sobreviveram ao século dos "diamantes", obras executadas para a pequena e média fidalguia, ou para abastados burgueses.

Joalharia Portuguesa

As jóias mais difundidas na segunda metade do século são, sem dúvida, as "laças", apresentando-se como o próprio nome indica, com a forma de um laço a que se acrescentou um pendente.

Joalharia Portuguesa

As "laças", em prata ou ouro, enriquecidas em alguns casos por pequenos diamantes, tanto podem ser alfinetes, como brincos ou como pendentes no centro de um colar.

O laço como desenho da jóia é tipicamente europeu para todo o século XVIII, se bem que em Portugal tenha um tratamento próprio, facilmente distinguível.

Joalharia Portuguesa

Este motivo serviu simultaneamente na produção de jóias em "minas novas", o mais famoso substituto entre nós, ou em outras pedras de cor.

Um outro tipo de pendente, que se designa tradicionalmente de "Sequilé", apresenta uma forma de losango ao alto dividido em duas secções. O "Sequilé", se bem que a origem do seu nome seja francesa, sugere uma forte inspiração da joalharia popular espanhola na sua concepção.

Joalharia Portuguesa

As filigranas, produzidas na região de Gondomar e em pequenas oficinas familiares de trabalhadores rurais simultaneamente ourives, são muito apreciadas. As formas obtidas pela junção de estreitos fios de ouro são esplêndidas manifestações do barroco popular.

Joalharia Portuguesa

Mesmo não se conhecendo exemplares de grandes jóias do mundo barroco e rococó em Portugal, com excepção do núcleo da Ajuda, a profusa produção de jóias com ou sem "minas-novas" ou pedras de cor, revela-nos um mundo tão espectacular e exibicionista que, estimulado pela imaginação, tanto tem a ver com o modo de ser português.

Joalharia Portuguesa

Conforme mencionado, objectos de adorno e de culto religioso em ouro e pedras preciosas tiveram grande destaque a partir do século XVIII, objectos sagrados tais como âmbulas, anéis, episcopais, cálices, chaves de sacrário, cruzes peitorais e ostensórios são objectos simbólicos pertencentes às classes de distinção, hierarquia e clero.

Joalharia Portuguesa

Visite-nos e avalie as suas peças!

Tem jóias antigas? Pretende avaliá-las? Contacte-nos!

Conheça a opinião dos nossos Clientes!

Saiba também quais são os nossos critérios de avaliação!

Conheça as peças com mais valor!

New Greenfil Lda, faça parte de uma história de sucesso!

Newsletter

Fique a par das nossas novidades!

  • Cotações do Ouro - www.kitco.com
  • Cotações da Prata - www.kitco.com
  • Cotações do Ouro - www.kitco.com
  • Cotações da Prata - www.kitco.com